quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Esperar



Quando se ama alguém, tem-se sempre tempo para essa pessoa. E se ela não vem ter conosco, nós esperamos. O verbo esperar torna-se tão imperativo como o verbo respirar. A vida transforma-se numa estação de comboios e o vento anuncia-nos a chegada antes do alcance do olhar. O amor na espera ensina-nos a ver o futuro, a desejá-lo, a organizar tudo para que ele seja possível. É mais fácil esperar do que desistir. É mais fácil desejar do que esquecer. É mais fácil sonhar do que perder. E para quem vive a sonhar, é muito mais fácil viver.

in Diário da tua Ausência
Margarida Rebelo Pinto

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Manhã vem chegando devagar...

Manhã vem chegando devagar, sonolenta; três quartos de hora de atraso, funcionária relapsa.

Demora-se entre as nuvens, preguiçosa, abre a custo os olhos sobre o campo, ai que vontade de dormir sem despertador, dormir até não ter mais sono!

Se lhe acontecer arranjar marido rico, a Manhã não mais acordará antes das onze e olhe lá.

Cortinas nas janelas para evitar a luz violenta, café servido na cama.

Sonhos de donzela casadoira, outra a realidade da vida, de uma funcionária subalterna, de rígidos horários.

Obrigada a acordar cedíssimo para apagar as estrelas que a Noite acende com medo do escuro.

A Noite é uma apavorada, tem horror às trevas.

Com um beijo, a Manhã apaga cada estrela enquanto prossegue a caminhada em direção ao horizonte.

Semi-adormecida, bocejando, acontece-lhe esquecer algumas sem apagar.

Ficam as pobres acesas na claridade, tentando inutilmente brilhar durante o dia, uma tristeza.

(...)

Jorge Amado, abertura do livro "O Gato Malhado E A Andorinha Sinhá - uma história de amor", D. Quixote, 9ª edição, 1999.




quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

Caminho de pedra



Velho caminho por onde passou
Carro de boi, boiadeiro gritando ô ô
Velho caminho por onde passou
O meu carinho chamando por mim ô ô
Caminho perdido na serra
Caminho de pedra onde não vai ninguém
Só sei que hoje tenho em mim
Um caminho de pedra no peito também
Hoje sozinho nem sei pr'onde vou
É o caminho que vai me levando ô ô

Composição: Antônio Carlos Jobim / Vinícius de Moraes



terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Amor no éter



Há dentro de mim uma paisagem

entre meio-dia e duas horas da tarde.

Aves pernaltas, os bicos mergulhados na água,

entram e não neste lugar de memória,

uma lagoa rasa com caniço na margem.

Habito nele, quando os desejos do corpo,

a metafísica, exclamam:

como és bonito!

Quero escrever-te até encontrar

onde segregas tanto sentimento.

Pensas em mim, teu meio-riso secreto

atravessa mar e montanha,

me sobressalta em arrepios,

o amor sobre o natural.

O corpo é leve como a alma,

os minerais voam como borboletas.

Tudo deste lugar

entre meio-dia e duas horas da tarde.

Adélia Prado


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A viagem não acaba nunca


A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o visitante sentou na areia da praia e disse:

“Não há mais o que ver”, saiba que não era assim. O fim de uma viagem é apenas o começo de outra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na primavera o que se vira no verão, ver de dia o que se viu de noite, com o sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para repetir e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre.
 
José Saramago

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Eu ando pelo mundo...



"Eu ando pelo mundo

Prestando atenção em cores

Que eu não sei o nome

Cores de Almodóvar

Cores de Frida Kahlo

Cores!"
 
Adriana Calcanhotto



sábado, 5 de fevereiro de 2011

OCEAN OF WHITE - (Skol Sensation 2010 - Brasil)




Evento realizado em abril de 2010 em São Paulo!

E NÃO SE ESQUEÇA:

"SE FOR DIRIGIR NÃO BEBA E SE BEBER VOLTE DE CARONA!!!!!"



quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Fica estabelecida a possibilidade de sonhar...




"Fica estabelecida a possibilidade

de sonhar coisas impossíveis e de

caminhar livremente em

direção aos sonhos."

Luciano Luppi


.

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

O hábito torna-nos cegos...





"O hábito torna-nos cegos às maravilhas do mundo - indiferentes e inconscientes perante os milagres cotidianos - embota a força dos sentidos e dos sentimentos."


Giovanni Papini (1881-1956), poeta, crítico e jornalista italiano.